Páginas

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Acordo climático entre EUA e China?



Finalmente, parece que algum acordo climático pela redução de emissões de gases poluentes entre as duas maiores potencias mundiais e poluidoras, foi feito. China e Estados Unidos concordaram em reduzir suas emissões de gás carbono lançados na atmosfera. A China chegou até a estabelecer uma meta concreta de redução até 2030. E os Estados Unidos continuam fortalecendo as normas ambientais sobre as grandes indústrias. O acordo entre as duas grandes potencias, devem contribuir para um acordo mundial sobre o clima na conferência de Paris, em 2015.
A conferência de Paris, tem como objetivo criar um novo acordo que substitua o Protocolo de Kyoto de 1997 que foi um pouco (ou muito) decepcionante em seus resultados.
"O objetivo da ONU, para os próximos anos, é limitar a elevação do aquecimento global em até 2ºC, isto é, níveis pré-indústria. Cientistas dizem que, a continuar pelos níveis de crescimento atuais, o clima terrestre pode entrar em colapso."
O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-conferencia-de-2015-sobre-o-clima-imp-,1156542O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link
O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-conferencia-de-2015-sobre-o-clima-imp-,1156542
O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-conferencia-de-2015-sobre-o-clima-imp-,1156542
O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-conferencia-de-2015-sobre-o-clima-imp-,1156542

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Surabaya Zoo - o pior zoológico do mundo


Surabaya Zoo, esse é o nome do pior zoológico do mundo, encontrado na Indonésia. É o maior zoológico do país, e com toda certeza poderia já ter sido fechado a muito tempo. No zoológico, os animais sofrem maus tratos, não possuem comido o suficiente, o espaço correto para sua sobrevivência e muito menos os cuidados mínimos de higiene e saúde. Não existe nenhum financiamento do governo, não existem veterinários no zoológico, e muitos dos funcionários respondem por crimes de tráfico de animais silvestres. O Surabaya Zoo já está acostumado a ser uma das principais notícias diárias de todos os jornais ao redor do mundo. No site do próprio zoológico, podemos ver uma frase de sua "missão e valores": 

"Conservation, education, research and recreation."
"Conservação, educação, pesquisa e recreação."


Conservação e educação é uma das muitas coisas que faltam no meio de todo o zoológico, entre funcionários, diretores e visitantes. O governo não parece ter nenhuma iniciativa em fechar o zoológico ou ao menos tentar impedir essa crueldade.
Uma das piores notícias, o que foi o estopim para o Greenpeace e várias outras Ongs, foi quando uma foto de uma filhote de leão foi encontrado morto, enforcado em uma jaula por uma corda de uso dos tratadores.
A Indonésia também é a dona do rio mais poluído do mundo e se o governo não faz algo para mudar, os outros precisam fazer? Sim, é essa a resposta. Ongs espalhadas pelo mundo, se juntam para tentar mudar algo e fazer algum abaixo assinado que tenha ao menos alguma mudança. Eu não sei, realmente, se abaixo assinados podem mudar em algo, mas qualquer esforço é válido. Esse é o link de uma das petições para o fechamento do Surabay Zoo.
http://asiaforanimals.com/surabaya-zoo
e
https://www.change.org/p/dr-susilo-bambang-yudhoyono-close-surabaya-zoo


É triste ver algo como isso, triste ver que ainda existem lugares como esse e ver que o governo do pais não se preocupa em mudar algo, mudar algo em seu próprio território, mudar algo para sua própria imagem, mudar algo para o próprio mundo. Um dos países com maiores índices de pobreza no mundo, também enfrenta graves problemas ambientais.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Nota da Folha de São Paulo sobre a Amazônia.





Esses dias o jornal Folha de São Paulo publicou uma nota chamada "Amazônia morre e jornais não veem", esse nome vem pelo o que parece ser o despertar da imprensa para a devastação da Amazônia, vindo do prejuízo econômico causado pela seca do Sudeste, já que grande parte da economia gerada pelo Sudeste e que sustenta o país, precisa das águas trazidas da Amazônia pelos ventos durante seis meses do ano, (nessa época agora), se a agua não chega, a economia para e o país inteiro se empobrece.
E nos meses de agosto e setembro desse ano, foram desmatados 122% a mais que os mesmos meses do ano passado. Dizem que o governo já conhecia esses dados antes do segundo turno da eleição, mas resolveram divulgar depois.
No Brasil a formação das chuvas se inicia na Amazônia e a umidade do ar se espalha com o vento para o território inteiro do país, mas com o desmatamento o fluxo de umidade entre Norte e Sul do país não ocorre, causando secas nessas regiões, como já está acontecendo em São Paulo e outros estados do Sudeste.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Valores do IPCC



No dia 2 de novembro de 2014, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), divulgou na reunião de Copenhague um novo relatório das mudanças climáticas e seus danos ao mundo. Pelo o que o relatório diz, alguns terríveis danos já causados por anos de despreocupação com o meio ambiente podem nunca mais serem recuperados no planeta.

Mas primeiro de tudo, precisamos saber o que é o IPCC. O IPCC é o que apresenta informações científicas e sócio-econômicas para que se possa entender as mudanças climáticas.

Em relação ao relatório publicado no dia 2, o diretor do IPCC, Rajendra Pachauri, comentou: "A influência humana no sistema climático é clara, quanto mais perturbamos nosso clima, mais riscos temos de impactos graves, amplos e irreversíveis."

Lemos esse relatório, que na verdade deveria nos deixar chocados em pensar que nosso planeta - e junto, a nossa vida - poderá acabar em poucos anos, e logo o esquecemos por ser algo tão frio que nem sequer nos assustar consegue. O meio de se passar informações é preciso mudar e o meio de se agir, precisa começar.

Talvez falte educação no mundo, educação na maneira de agir e pensar da população não só de um país, mas sim de vários. Talvez falte informação para alguns povos, mas não para todos. Talvez falte meios de agir, não, não faltam. Talvez falte conscientização. Talvez falte ações, educação, conscientização e ainda mais, exemplos.

Climate Reality - dia 2 e 3.

O treinamento está chegando ao fim e hoje vou voltar para casa. Não comentei sobre o dia 2 porque realmente estava muito cansada. Mas o dia foi apenas de apresentações do ex vice presidente Al Gore. Ele apresentou um slide longo em que mostra a realidade climática do mundo e apresenta algumas formas de soluções. No material que recebi, todas as fotos do slide veem com um espaço para que você possa fazer anotações e explicar a devida foto. No fim, todos os 750  participantes foram para o heliporto em que tiramos uma foto. Hoje, no último dia, teremos work-shops e o grupo terá que procurar formas de passar o que aprenderam para frente, agindo em equipe e sozinho. Terá também a cerimônia de Diplomação, em que ganharei um broche e um certificado (\o/), mas o mais importante é o que aprendi aqui, tudo o que aprendi. Olhar para valores mostrados pelo IPCC falando que os efeitos das mudanças climáticas podem acabar com o planeta, é simples, ficamos chocados por um momento mas logo depois esquecemos pensando que ainda temos muitos anos para tentar tomar uma iniciativa. Mas descobrir realmente como a situação do planeta está precária e pedindo urgência, é questão de fazer algo o mais rápido o possível pela sobrevivência de todos

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Climate Reality - Dia 1

Cheguei hoje, dia 04 de Novembro de 2014 ás 7:30 a.m. no aeroporto Santos Dumond, Rio de Janeiro. Estava bem nervosa para saber como seria isso aqui. Demorou pra caramba pra começar, mas um pouco depois das 9 horas consegui entrar e conhecer o grupo que faço parte. Somos separados em mesas e recebemos materiais, podendo escolher o livro em português ou inglês. O treino é como uma junção de palestras em que chega uma hora, que você fica realmente cansado e com sono, mas vale á pena. Hoje ouvimos mais sobre o que é a Realidade Climática, a perspectiva dos indígenas sobre as mudanças climáticas, a energia do futuro para o Brasil, como evitar o desmatamentos, inovações no manejo da terra no Brasil, e etc. Estou morrendo de sono já que não dormi noite passada e devo estar, mais ou menos, umas 32 horas acordada e estou morrendo de sono. 

Eu pensei realmente em desistir e não fazer o treino, porque algo chato havia acontecido no sábado e até ontem eu estive em um velório de uma amiga. Eu não estava bem para vir e não estava nem um pouco feliz ou animada, como estava antes. Mas depois que começou o Climate e recebi meu material e o crachá com meu nome, ai sim eu melhorei.