Páginas

sábado, 26 de agosto de 2017

A Amazônia deve temer?

Uma área rica em minérios localizada entre o Amapá e o Pará, de 4,7 milhões de hectares, chamada de Reserva Nacional do Cobre e seus Associados (Renca), onde existem sete unidades de conservação e duas terras indígenas, poderá ser agora desmatada graças a um decreto que acaba com essa reserva mineral aprovado pelo presidente Michel Temer, sem alguma finalidade específica a não ser o apoio à bancada ruralista.
A Renca foi fundada em 1984 pelo presidente João Figueiredo, último presidente militar, que delimitou a área para fins de "pesquisa na exploração mineral, permitindo participação privada por meio de convênio. A área é um pouco maior que o estado do Espírito Santo, e maior que a Suiça, sendo 90% da área para terras indígenas e reservas ambientais, e os outros 10% - cerca de 500 mil hectares, como aponta o Greenpeace - é área coberta pela floresta, área pública que fica disponível para indústrias.
As sete áreas de conservação são: Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque (maior unidade de conservação de florestas tropicais do mundo), Florestas Estaduais do Paru e do Amapá, Reserva Biológica de Maicuru, Estação Ecológica do Jari, Reserva Extrativista Rio Cajari, Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru, além das terras indígenas Waiãpi e Rio Paru d'Este. E de todas essas citadas, apenas uma pequena parte da Floresta Estadual do Paru admite exploração de minérios.
Segundo a Folha, já existiam solicitações de empresários para a exploração dessa área desde sua fundação, mas por lei a exploração de minérios em áreas de conservação é proibida. Mas no dia 23 de Agosto, foi dada a liberação para empresas privadas realizarem suas "pesquisas de minérios" na região.
Para se defender, o presidente usou seu Twitter para dizer que a área liberada para pesquisa privada será a área já liberada à mineração, e nenhuma área ambiental será tocada ou reestruturada para tais atividades.

Mas é preciso lembrar que essa medida foi tomada sem nenhum debate com a população local que sera a principal afetada. A mudança ocorreu toda a sociedade que elegeu o presidente, foi avisada depois de que talvez nossa Amazônia sofra com a motosserra e isso afete toda a nossa respiração. Pode parecer distante de você agora qualquer interferência que a Amazônia possa ter na sua vida, mas tenha certeza que ela te faz respirar e é inacreditável como nós não a deixemos viver.

Nenhum comentário: