Páginas

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Elephants and Bees - Elefantes e Abelhas

Você conhece o projeto Elephants and Bees na Angola, realizado pela aluna de doutorado da FCAV Marisa Rodrigues, formada em zootecnia?
Marisa é portuguesa e estuda no Brasil, na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", no campus de Jaboticabal - FCAV - Faculdade de ciências agrárias e veterinárias. Ela é formada em Zootecnia (ou produção animal é um curso de graduação que visa desenvolver e aprimorar as potencialidades dos animais domésticos e domesticáveis, com a finalidade de incrementar sua produção como fonte alimentar e outras finalidades), e hoje faz doutorado com a pesquisa voltada em genética e comportamento da Apis melifera
Enquanto isso, Marisa participa de um projeto de extensão na Angola, criado por ela. Para entender mais, dê uma olhada nas ilustrações aí embaixo que eu montei para facilitar. 

terça-feira, 20 de agosto de 2019

A importância da Amazônia

Por mais incrível que pareça, muita gente não sabe qual a importância da floresta amazônica 
para o MUNDO, não só para o Brasil, mas sim para o mundo inteirinho. Eu lembro de quando era criança e fazia algumas postagens aqui nesse blog falando de maneira simples, fácil e rápida a importância de preservar o ambiente. Hoje eu vejo que talvez perdi esse dom e tudo que eu tento falar de maneira simplificada, eu arranjo palavras demais e acabo alongando a história. Mas hoje, em vista de que todos estão correndo demais para seus trabalhos e não têm tempo de ler nada, eu quero falar algo rápido e fácil de assimilar sobre a Amazônia com 3 curtos tópicos e retomando postagens muito velhas que eu fiz (lá pros anos de 2008).

Por que a Amazônia é importante?

1. Possui a maior coleção de plantas e animais vivos do mundo
(imagine: todos esses animais vivem em paz em um ambiente divino, livre de intervenção humana, da maneira como deve ocorrer em um lugar paradisíaco chamado Amazônia)
Resultado de imagem para gifs wow
- começando por "Os animais são como nós", escrito pela Clara de 2007, com 8 anos.

2. Mantém o equilíbrio climático, não só no Brasil como em outros países da América do Sul
(o que é equilíbrio climático?: sem a Amazônia não haveria chuva, sem a Amazônia não haveria umidade, morreríamos à míngua e desidratados)
Resultado de imagem para gifs sede
- eu indico a publicação de 2007 onde eu digo "Viver sem água é impossível" simplesmente, talvez com minha fala de criança seja mais compreensível do que minha fala de adulto.


3. Filtro de poluição
(todos sabemos que as plantas limpam o ar poluído por meio da fotossíntese, certo? Tiram gás carbono do ar e liberam oxigênio, o ar que respiramos, por isso AINDA temos ar puro. E apesar da maior produção de oxigênio para o planeta ser por meio das algas azuis a Amazônia ainda tem grande importância nisso).
Resultado de imagem para gifs breath
- e para finalizar indico um "O mundo precisa de você", escrito pela minha pessoa de 9 anos

Tenho uma professora de economia que sempre nos diz que "se você não vai entender pela empatia, vai pelo egoísmo", se você não tem empatia pela vida daquelas árvores ou pela vida de todos os animais que ali existem, pense em si mesmo e em como será afetado caso a Amazônia morra. Fale isso para seus amigos que não entendem a importância dela, abra os olhos deles e se eu pudesse, eu juro, que enfiaria essa noção básica na cabeça de todo mundo.

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Amazônia e a temporada do terror

Acho que não preciso colocar mais nada no título além desse nome que já explica a ameaça dos últimos tempos graças a um governo louco e desgovernado.
Mas, para um ministro de MEIO AMBIENTE que diz que a Amazônia necessita de "soluções capitalistas" e que não reconhece a importância de Chico Mendes, além de um presidente que recusa fundos de outros países preocupados em defender nossa natureza mais que o próprio brasileiro, não poderíamos esperar coisa diferente de tudo o que acontece no momento.
Infelizmente vemos as chamas na Amazônia e animais mortos enquanto a mídia se cala, o governo não atua e ninguém faz nada.
De acordo com o jornal Folha de São Paulo, fazendeiros no Pará anunciaram o "dia do fogo" (10 de agosto) e em uma entrevista com o jornal Folha do Progresso (5 de agosto) tais fazendeiros declararam que a ação seria para "mostrar serviço ao presidente", mostrar que querem trabalhar. Depois disso, só vimos os focos de incêndio aumentarem constantemente.
Na cidade de Novo Progresso os focos aumentaram em 300% e em Altamira, 743% apenas no final de semana.


O Fundo da Amazônia - que o incompetente presidente negou receber recursos dizendo para um dos países mais reflorestados da Europa (Alemanha) investir esse dinheiro em suas próprias florestas como se isso ainda não tivesse sido feito. Recebemos dinheiro do exterior para preservar nosso bem maior e nos achamos no direito de negá-lo enquanto o mesmo presidente diz que não há dinheiro para nada e por isso deve ser feito corte de bolsas de estudo (enquanto redecorar a sala da primeira dama é permitido). - é responsável por fazer tudo o que nosso Estado não faz; financia ações de prevenção, conservação, monitoramento e combate ao desmatamento. Ele existe desde 2008 e nunca foi proposta mudanças como quiseram agora. O totalmente despreparado ministro do meio ambiente sugeriu que esse fundo estaria sendo mau gerido (gestão feita pelo BNDES) e decidiu que esse fundo seria utilizado para indenizar desapropriações de terras em unidades de preservação da Amazônia, o que foi negado pelos maiores apoiadores (Noruega e Alemanha) e por empresas atuantes do terceiro setor.

Mas após todo esse embargo e das declarações que todos já ouviram do presidente do Brasil, encontramos a nuvem de fumaça que caminhou por todo o Brasil mostrando, e esfregando na cara de todos os brasileiros, que a Amazônia é a coisa mais importante que temos.
Logo abaixo mostro fotos e um texto do fotógrafo Araquém Alcântara que conhece essa Amazônia muito melhor do que o ministro do meio ambiente que parece querer destruí-la.

"Eu estive lá e vi. E fotografei. Sou testemunha ocular. A Amazônia é a minha matriz criativa. Já foram mais de cinquenta viagens e expedições. Não de avião, mas andando, de mochila nas costas, de barco e de carro. Já subi o Pico da Neblina duas vezes, já pisei onde ninguém pisou, já fiz quatro livros sobre a floresta e seu povo, já ganhei o Jabuti, já publiquei centenas de reportagens neste 49 anos de jornalismo e fotografia. E agora, com os recentes acontecimentos estou cheio de revolta. É preciso elevar o tom.
Como pode o presidente do país suspender apoio financeiro de Noruega e Alemanha- o Fundo Amazônia- que já aprovou 103 projetos no valor de R1,86 bilhão, e já desembolsou R$1,3 bilhão, desde 2008 quando foi criado? O pior é que esse fundo é gerido pelo governo brasileiro. Dinheiro europeu de graça, sob controle do Brasil. Não dá para entender: o Brasil não tem dinheiro para pagar bolsas de estudo e pode não ter dinheiro nem para a alimentação de recrutas. A imprensa noticia que desmate na Amazônia cresceu 15% (5.054 km quadrados em um ano, segundo o SAD ( Sistema de Alerta do Desmatamento) da ONG Imazon. O Deter, sistema do Inpe, adotado oficialmente, indica uma porcentagem muito maior, 50% ( 6.833 km quadrados ). A intensificação do desmatamento é real, é coisa objetiva feita por satélites. E o cara diz que os dados não são reais, que não precisamos de dinheiro estrangeiro. Desmatamento livre é o que quer . Assim, como disse o poeta Carlos Drummond de Andrade, “ não haverá dia seguinte... o vazio da noite, o vazio de tudo será o dia seguinte” Assim,não haverá mais país."

A imagem pode conter: atividades ao ar livre
A imagem pode conter: céu, nuvem e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: planta, céu, árvore, atividades ao ar livre e natureza
A imagem pode conter: nuvem, céu, montanha, atividades ao ar livre e natureza

Todas as fotos postadas se encontram na página no facebook do fotógrafo Araquém Alcântara, além de outras que eu não quis postar aqui como de animais.
Por favor, salvem a Amazônia. Gritem, esperneiem, lutem, mas não deixem essa floresta morrer.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Agrotóxicos, gasto de água e o que a agronomia brasileira faz realmente

A liberação de agrotóxicos de maneira tão rápida nesse ano de 2019 no Brasil têm chamado a atenção de todo o mundo. Até 22 de maio de 2019, 197 agrotóxicos ganharam seus registros e estão agora liberados para o uso.
Esse aumento na liberação de agrotóxicos vem aumentando desde 2016 com o governo Temer, sendo o pico de autorizações em 2018 com 450 novos regristros.
Fonte: Brasil de Fato

Muitos produtos que estão sendo liberados aqui (ou que já foram) são proibidos na Europa e por esse motivo nós vemos o boicote feito pela rede de supermercados da Suécia aos produtos brasileiros no dia 05 de Junho de 2019.
De acordo com o CEO da rede Paradiset: Não podemos continuar a oferecer alimentos do Brasil de consciência limpa, desde que a quantidade e o ritmo da liberação de agrotóxicos estejam aumentando tão fortemente no país. Por isso, decidimos que eles devem ser retirados imediatamente de nossas prateleiras para, como sempre, oferecer os alimentos mais sustentáveis e limpos da Suécia ”
A Paradiset é a maior rede de produtos orgânicos da Escandinávia e ao saber do recorde de liberação de agrotóxicos nesses dois primeiros meses do governo Bolsonaro, decidiram fazer uma "greve" para demonstrar seu descontentamento com o caminho que a agricultura brasileira está tomando. O que estão fazendo certo. Apesar de sabermos o quanto a agricultura é importante para o país, é importante que mudemos muito como a fazemos para podermos mantê-la como importante para o país, não apenas na economia mas na cultura e ambiente.

Em entrevista ao programa Roda Viva da Tv Cultura a ministra Tereza Cristina afirmou que existe um mito sobre como as pessoas enxergam os agrotóxicos e que causa um pânico geral por desinformação que é real, mas que não vemos nada sendo feito para ser mudada a visão que as pessoas têm sobre o uso de agrotóxicos na agricultura brasileira.
Mas a ministra também disse que esses produtos já são utilizados e que não há como proibir, considerando então que é melhor liberá-los para informar mais aos agricultores de como deve ser seu uso por meio das bulas, na verdade seria melhor a fiscalização do que a liberação, certo?
Disse também que as novas moléculas formadas para novos agrotóxicos podem ser melhores do que antigas e por isso é importante o registro. Acredito que não tenha considerado que não são necessárias moléculas químicas novas para isso já que possuímos tantas pesquisas de produtos biodefensivos, com inimigos naturais (insetos, fungos, bactérias e etc. que atacam pragas das lavouras com especificidade) que não agridem o meio. Mas de acordo com a ministra, "isso vem muito lento" e "a pesquisa precisa levar esses produtos", como se já não o fizessem e como se o corte de verbas para bolsas pesquisa não fosse influenciar tais coisas. Pelo que nos mostra, o governo brasileiro não entendeu o caminho que deve ser seguido quanto à agricultura mundial.

Por estudar agronomia, hoje eu vejo realmente o quanto falta informação para o consumidor sobre como fazemos a produção de alimentos. Então é comum ouvirmos por aí que o agronegócio gasta toda a água do mundo ou que a "resina" sobre a maçã é agrotóxico aplicado que consumiremos. São realmente equívocos que faltam explicações da própria agronomia.
Grande parte da água gasta para a irrigação volta para o meio ambiente. Ela se mantém no ciclo hidrológico voltando ao solo, ar por transpiração da planta e aos lençóis freáticos, além de novas tecnologias como filtros em aspersores e gotejadores procuram permitir o uso de água mais salina para que ocorra menos gasto da água (doce) disponível.
E a "cera" que encontramos na maçã ao raspar sua casca que é dito como agrotóxico, na verdade é resina de carnaúba, natural, que tem por finalidade não deixar com que a fruta resseque e dar brilho e por ser natural não faz mal algum à saúde.

Ninguém diz também o quanto, nas faculdades de agronomia nos dias atuais, engenheiros agrônomos estudam sobre cultivo consciente e sustentável. Em todas as matérias das faculdades agrícolas somos guiados para o uso consciente do que temos. Mas reafirmo, nos dias atuais. Professores jovens, que não se formaram à muito, nos dizem constantemente que até pouco tempo atrás não possuíam matérias ou tinham seus olhos voltados para a importância da preservação como temos nos dias de hoje. Portanto, creio eu que a ministra da agricultura, em seu tempo de faculdade, não teve tanto estímulo e informação sobre como é importante respeitar o ambiente para que ele lhe devolva por cordialidade o que é merecido.
É realmente compreensível que as pessoas pensem tão mal sobre a agricultura brasileira, já que o que é passado à elas não é algo bom. 
Mas temos muitos exemplos espalhados pelo país que nos mostram o quanto muitas pessoas se esforçam para fazer direito. A Fazenda da TOCA é um grande exemplo de produção extritamente orgânica, localizada em Itirapina com 2300 hectares e que além de seus produtos, oferece visitas e cursos sobre como ser sustentável fazendo agricultura.
São exemplos assim que devemos seguir e que vem crescendo no Brasil, apesar de ainda sermos muito "conservadores" nos costumes dos agricultores e pouco conservadores com o solo e com a natureza que nos é dada.

quarta-feira, 1 de maio de 2019

Ministério do Meio Ambiente vs. mapas das áreas de conservação


No site do Ministério do Meio Ambiente havia um instrumento chamado "Áreas e Ações prioritárias" que mostrava mapas das áreas de conservação do país, indicando locais com ecossistema em extinção ou com espécies endêmicas, como a Mata Atlântica.
Amazônia era um dos biomas brasileiros representado nos mapas de áreas prioritárias — Foto: Divulgação
Mas, se você tentou clicar nesse link para acessá-lo e não conseguiu, calma que não é a sua internet que está ruim, esses mapas foram totalmente retirados da página do Ministério no dia 26 de Abril, com a justificativa de que precisam de novos ajustes pois haviam "sombreamento entre biomas" e portanto retiraram do ar para "evitar a disseminação de informação equivocada". Além disso, foi verificado que postagens a respeito dessas áreas também foram excluídas. Mas, de acordo com nota, após a correção dos mapas eles serão republicados. Só que essa sobreposição de biomas já era conhecida existindo até um mapa que demonstra propriamente as áreas sombreadas.´

Esse projeto dos mapas são um instrumento público criado em 2004 que envolve unidades de conservação, fiscalização e regularização ambiental, e atividades potencialmente poluidoras. O ICMbio e o Ibama usam o programa para suas fiscalizações, já que são uma importante ferramenta para orientar a tomada de decisões em ações de proteção, conservação e restauração.

No entanto, o deputado Rodrigo Agostinho do PSB de São Paulo nos fez lembrar que essa ação tomada pelo ministério foi algo muito parecido com o que levou a Ricardo Salles sofrer o processo quando era secretário do Meio Ambiente de São Paulo por irregularidades na elaboração de planos de manejo para a área de proteção ambiental várzea do Tietê.
Para Alexandre Bahia Gontijo é importante que sejam comparados mapas anteriores com os que serão novamente postados e acrescentou: “O cuidado com essas regiões é importante e caro até para organismos internacionais, como a Organização das Nações Unidas. Eu não sei o que o ministro quer ao retirar essas informações da rede. Mas, se as informações não são mais públicas, isso é um problema”.
Mas, para um ministro do Meio Ambiente que diz publicamente que Chico Mendes - o maior ambientalista do Brasil - é irrelevante para nosso país, acredito que não podemos criar muitas expectativas, certo?


Fonte: Correio Braziliense e G1