Páginas

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Adote, e caso não possa, compartilhe - O Reencontro

A pouco tempo atrás eu fiz uma postagem aqui mostrando uma cachorrinha na qual encontrei na frente da escola em uma manhã chuvosa e fria, e ela estava com a pata machucada, a vizinha da escola nos ajudou e etc, etc. 
Saímos por aí compartilhando no Facebook e pregando cartazes, e um desses cartazes deu um resultado inesperado para nós. A dona da cachorrinha apareceu! Ela me ligou desesperada dizendo que o cartaz foi colado no Pet Shop Bem-Te-Vi, no qual ela é tratada e o dono do pet a reconheceu, ligou para a dona e ela conseguiu entrar em contato comigo.
Descobrimos então que a cachorrinha, de nome Radija, tem 14 anos e morava na rua de trás da escola. Vejam o que se deu de tudo isso:

E pode deixar que toda a felicidade foi minha, por ter recebido a ligação da dona da Radija chorando e agradecendo muito por eu tê-la encontrado. Compramos também uma flor (em forma de agradecimento) para Marta Vilas Boas, a vizinha com quem Radija ficou e foi muito bem tratada.

Eu sabia como era encontrar um animalzinho na rua. Minhas duas cachorras são resgatadas, Frida e Nina, mas nenhuma das duas fui eu que encontrei, e sim meus pais. Eu sempre sofri por ver esses animais de rua e não poder fazer nada, mas dessa vez eu fiz. E eu que devo agradecer muito por ter tido essa experiência e essa chance de fazer o bem e salvar uma vida que foi guardada por Deus durante todo esse tempo e agora pode reencontrar sua família.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Adote, e caso não possa, compartilhe.

Em uma quinta-feira chuvosa, eu e Marina (uma amiga de longa data) fomos procurar, em frente a escola, por um amigo. Ao invés de encontrarmos ele, encontramos uma cachorrinha na chuva, no meio da pista. Ela estava com a pata machucada sem conseguir pisar direito, tremia de frio e estava completamente encharcada por conta da chuva. Tentei ligar para meus pais pedindo pelo amor de Deus para que pudessem vir buscar ela, mas eu não tenho como, já tenho duas cachorras que também vieram da rua e não temos como colocar mais uma dentro de casa. Minha mãe ficou no telefone tentando me explicar isso enquanto eu chorava. O tio da portaria já havia dito que aquela cadelinha já estava circulando por ali durante horas. Ela olhava para qualquer pessoa que passava e tentava entrar nos carros que paravam em frente a escola. Com certeza havia sido abandonada. 
Fomos então até a casa da vizinha (que sou agradecida à ela até agora!) perguntar se era dela pois sabíamos que ela era dona de vários cachorros. Ela disse que a cadelinha não era dela, mas por uma boa ação, ela colocou a cachorrinha para dentro, cuidando dela, dando banho, colocando roupa, passando remédios, dando comida e etc. Mas infelizmente ela não tem como continuar com ela, ela já tem 5 cachorros e não pode ter mais um, sem contar que cuida de muitos outros pela rua. Estamos então fazendo uma campanha para que esse amor de cachorrinha seja adotada.
Ela é linda. Um cachorro de dentro de casa pois não sabe andar na rua, possuía coleira e é muito quieta. Não late e é dócil. Apesar de machucada quando a pegamos no colo, ela nem sequer rosnou.
POR FAVOR, CASO VOCÊ QUEIRA ADOTÁ-LA, OU CONHECE ALGUÉM QUE QUER ADOTAR UM CACHORRO, ENTRE EM CONTATO: (11)99224-3014 ou (11)97541-9683

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Fotos verdes no Sesc Itaquera

Realmente eu queria ter mais tempo para postar, mas infelizmente não estou conseguindo nem ligar o computador direito, e raramente consigo visitar lugares para fotografar - já que é meu novo hobbie. Mas tenho que dizer que comprei livros sobre fotografia (que posso fazer uma postagem depois sobre eles), e estudei para tentar melhorar. Então no dia 25 de Janeiro de 2016, no aniversário de São Paulo, visitei o Sesc de Itaquera no qual teria um show da cantora Maria Gadú, e na realidade não era nem minha intenção assistir o show, mas pude ter a certeza que meus estudos em casa sobre fotografia, renderam e consegui tirar uma das melhores fotos da minha vida (se não a melhor) nesse dia.
Sei que me meti dentro de uma trilha que não conhecia em um canto desse Sesc que frequento desde minha infância. Estava com dois amigos, mas uma desistiu de continuar e então os que restaram (no caso eu e o outro) continuamos enfrentando as aranhas "gigantes", o lodo que nos fazia escorregar, as formigas que, sem exagero, nos atacavam, e meu medo de que algum bicho gigante aparecesse. Mas enfim, como no Brasil (e muito menos no Sesc) não temos ursos, eu me tranquilizei e daí saíram essas fotos:
Batizamos o lugar de Terabitia.
Essa é uma das melhores fotos que já tirei, acho eu. Graças ao momento certo. O golpe de sorte.

Obrigada por ter olhado todas as fotos até aqui. Espero que tenha gostado.
Logo volto, quando der.

PS': Não se esqueça de comentar.